Como dar entrada na aposentadoria por tempo de contribuição?

carta de concessaoDiversos trabalhadores ficam contando quantos anos ainda faltam para poderem pedir suas aposentadorias e, na hora de solicitá-lo, não sabem qual é o procedimento correto.

Primeiro, é preciso compreender o que é a aposentadoria por tempo de contribuição e quais os documentos serão pedidos pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS).

Quando se fala em “tempo de contribuição”, fala-se em pagamento de carnê voluntariamente e em recolhimento feito pelos empregadores (só acontece quando há registro em carteira).

É obrigatório que todos tenham 180 meses de contribuição, o que significa 15 anos: é possível que o cidadão tenha realmente trabalhado registrado por esse tempo, que tenha apenas contribuído por meio de carnê ou que tenha feito os dois. Esses 180 meses são a famosa “carência do INSS”.

Regra 85/95 para aposentadoria

Um sistema comum para os trabalhadores que querem pedir aposentadoria, apesar de ser mudado com a reforma previdenciária a partir de 1° de janeiro de 2019.

Nesse tipo de contagem, junta-se o tempo de contribuição e a idade: para as mulheres, o resultado deve ser 85 ou mais; para os homens, 95 ou mais. Do primeiro dia de 2019 até o primeiro dia de 2021, a nova contagem será 86/96.

Como pedir a aposentadoria por tempo de contribuição

O cidadão que tem os 15 anos de contribuição ou que consegue alcançar 85/95 somando-o à idade pode acessar https://meu.inss.gov.br/central/index.html#/ para requisitar o benefício.

Criando um login, a pessoa também conseguirá acompanhar se a sua requisição já foi avaliada, bem como outras informações. Também se pode pedir a aposentadoria por tempo de contribuição usando a central do INSS: 135.

Com a requisição feita pelo Meu INSS ou pelo telefone, será determinado um dia para que a pessoa leve os documentos pessoalmente ao instituto de seguridade.

Será necessário CPF, carteiras de trabalho, reservista, RG, PIS/PASEP/NIT e, se houver, os carnês de contribuição.

O INSS avaliará os registros e, se a aposentadoria for concedida, a pessoa recebe em casa a carta de concessao. Ela trará especificados os possíveis adicionais que o aposentado receberá, o valor bruto do benefício, o banco no qual será sacado e o dia do mês.

No caso de a aposentadoria por tempo de contribuição ser negada, o cidadão deverá ir ao INSS de novo e solicitar a razão.

Diversos trabalhadores têm dificuldades para se aposentar por tempo de contribuição porque alguma das empresas deixou de registrar tudo devidamente.

Contudo, o cidadão pode comprovar que tem o tempo de serviço devido buscando o Ministério do Trabalho, que vai emitir uma certidão.

Esse recurso serve também quando a carteira de trabalho está danificada ou quando alguma das carteiras foi perdida, impedindo que o funcionário do INSS confirme o tempo de contribuição.

Dados de contato

Quem acessar o Meu INSS verá que a última aba é de dados de contato e é imprescindível que todos estejam atualizados para o caso de o instituto de seguridade precisar fazer algum comunicado, até de mudança de data do benefício.

Os custos secretos da gasolina

como receber o seguro dpvatQual o preço de um galão ou cerca de 3,8 litros de gasolina? Nos Estados Unidos, é entre R$ 6 e R$ 8 reais. Mas alguns especialistas dizem que os verdadeiros custos são muito maiores. E os custos invisíveis de usar gasolina?

Quem paga por eles? Na Alemanha, um galão custa mais de R$ 16 reais. Na Suíça, cerca de R$ 12 reais. O que eles estão pagando, que os americanos não estão? Mesmo que nós não paguemos na bomba, todos nós pagamos a longo prazo. Mas então como essa poluição é transformada em dinheiro? O pessoal do CIR investigas um único galão de gasolina que nós acharam na Califórnia. Ele produz cerca de 11,3 kg de gases que causam o efeito estufa. Quase do mesmo jeito que um cocker spaniel. Muitos de nós dependem de carros, todos os dias. Cada motorista americano usa em média 557 galões de gasolina por ano. Multiplique isso por cerca de 238 milhões de carros e caminhões…é bastante cocker spaniel!

Um único motorista gera cerca de 4.530 kg de gases causadores do efeito estufa todo ano. É necessário mais de 400 milhões de m² de florestas para absorver essa poluição. Para todos os motoristas dos Estados Unidos juntos, é necessário uma floresta do tamanho da Califórnia, Nevada e Arizona a cada ano. Mas então, de onde toda essa poluição vem? E quem é responsável por isso?

Qual o valor real da gasolina?

Na verdade, a poluição começa no momento em que o petróleo bruto é bombeado do subterrâneo. O CIR seguiu um galão de gasolina da Arábia Saudita, de onde os americanos tem 20% de todo o petróleo importado. Esse petróleo bruto é bombeado para petroleiros gigantes. O maior petroleiro pode carregar até 2 milhões de barris. Isso libera cerca de 1 kg de gases poluentes para cada galão de gasolina. Então os petroleiros começam sua jornada de 17.600 km até a Califórnia. Quando o petróleo bruto chega até a refinaria ele é misturado com o petróleo de outros lugares. Aqui o petróleo é esquentado, filtrado e queimado para fazer combustíveis e outros produtos.

Para cada 3,8 litros que se têm na bomba, cerca de 1,5 kg de poluentes foram gerados na refinaria. Então a gasolina vai até os postos. Em média, um caminhão entregador de diesel percorre 80 km. Enquanto o motorista do caminhão recarrega os tanques do posto, o gás evapora. E não são só os que causam o efeito estufa. Outros poluentes, como a benzina, fazem muito mal para a sua saúde.

É disso que você sente o cheiro quando para no posto. Quando você para e abre o tanque, mais gases evaporam, mais poluição. Você levanta a mangueira. Sabe aquelas linhas curvilíneas que saem da bomba? São químicos tóxicos e fumaça de gases em formação.

Então você gira a chave. E quando o seu carro está quente, os gases podem evaporar passando direto pelo metal, sem que ele seja queimado. Em um dia quente, isso pode acontecer mesmo com o carro desligado. Quanta poluição você cria enquanto dirige, depende do tipo de carro que você dirige. Do tipo de gasolina que você usa. De como você dirige, das melhorias, do trânsito e até do clima. Então, o total de poluição criada pelo motorista é altamente variável.

Mas em média é mais de 8,6 kg de gases poluentes por galão. Isso equivale a 3/4 do total da poluição. Mas e os outros custos com o refinamento e o uso da gasolina? Como vazamento de petróleo, poluição da água por tanques de armazenamento, até a redução de colheitas e doenças respiratórios, como a asma. Os economistas chamam esses impactos de externalidades. Significam custos criados pela sociedade, que não estão incluídos no preço.

Por exemplo, muitas pessoas de baixa renda e grupos minoritários, vivem perto de estradas, refinarias, linhas de trem e portos. Eles sofrem mais de asma e de outras doenças respiratórias. Em Los Angeles, o custo da poluição do ar é de mais de R$ 2.500 reais por pessoa, por ano. Por causa de visitas ao pronto socorro, dias de trabalho perdidos, dias de escola perdidos e até a morte.

Um estudo estima que esses custos externos vão de R$ 1,1 trilhão de reais até quase R$ 3,4 trilhões de reais por ano, só para os Estados Unidos. Adicione isso ao preço que se paga na bomba, e estamos olhando para R$ 30 reais por galão.

Lembra-se do galão de gasolina da Alemanha, a R$ 16 reais? O que eles estão pagando na verdade? Eles criaram uma taxa ecológica para a gasolina, cerca de R$ 2 reais por galão. Esse imposto pode ir para programas sociais e energia renovável. Isso já é algo. Mas, sinceramente? Só uma gota no balde. Qual é o verdadeiro preço da gasolina? É muito mais do que pagamos na bomba.

Itens que não eram permitidos no local do show do Paul McCartney

  • Câmeras fotográficas ou filmadoras profissionais ou com lente destacável. Bastão de câmera GoPro;
  • Remédios fora de sua embalagem original e não identificável;
  • Objetos que representem riscos à segurança tais como garrafas; latas; bebidas; utensílio de armazenagem; embalagens rígidas com tampa, capacetes; cadeiras ou bancos; guarda-chuvas; animais – exceto cães guias identificados junto com portadores de deficiência visual; armas de fogo; armas brancas; objetos pontiagudos, cortantes e/ou perfurantes; fogos de artifício; objetos de vidro;
  • Alimentos para comercialização. Será considerado um limite de até cinco itens por pessoa.

O portador do ingresso será submetido a inspeções e revistas corporais. Os objetos não autorizados serão descartados.

Sobre os alimentos para consumo próprio – será permitida a entrada com: alimentos industrializados lacrados; frutas cortadas e acondicionadas em embalagens transparentes não rígidas, tipo Zip Lock; sanduíches acondicionados em embalagens transparentes não rígidas.

O portador do ingresso será submetido a inspeções e revistas corporais. Os objetos não autorizados serão descartados.